Como diminuir o bullying

Como diminuir o bullying

Emi Emi 13 jun 2022

Atualmente, o bullying tem sido um tema cada vez mais comentado, especialmente nas escolas. É importante buscar formas de diminuir o bullying, visto que ele pode prejudicar física e mentalmente suas vítimas e, infelizmente, tem impactos que podem durar a vida toda.

Nesse sentido, nós, do Tudo Educação, separamos as principais formas para diminuir o bullying, para ajudar as crianças e jovens que sofrem com esse problema. E queremos, também, auxiliar os adultos nas ações de combate. Vem com a gente!

Vá direto ao tópico de seu interesse:

Criança sofrendo bullying
Criança sofrendo bullying

O que é bullying?

Primordialmente, bullying é um termo que vem do inglês, derivado da palavra “bully”, que significa “tirano, brutal”. Assim, ele pode envolver agressões físicas e verbais, ameaças e violências de diversos gêneros, com o intuito de intimidar uma pessoa indefesa.

Vale ressaltar que, existem diversos tipos de bullying, contendo até mesmo importunações sexuais, morais e preconceituosas. A prática é realizada por um “valentão”, de forma intencional e repetitiva, que prejudica a saúde mental e, possivelmente, a integridade física de alguém.

O bullying pode ser realizado, também, de forma virtual, o chamado cyberbullying. Já na escola, o bullying acaba prejudicando suas vítimas nos estudos, na convivência e no aprendizado como um todo. Assim, é de suma importância buscar fortalecer o ambiente escolar e preparar os profissionais para lidar com esse tipo de situação. Aliás, os estudantes indefesos não costumam buscar ajuda, portanto, é preciso estar atento a qualquer sinal.

Como combater o bullying?

Como o assunto é delicado, os educadores e funcionários do ambiente escolar, bem como a família da vítima e do agressor, devem ter uma abordagem planejada. Essa abordagem passa pela necessidade de conscientização, pelo acompanhamento da situação e pela intervenção.

Abaixo, as principais maneiras de desenvolver essas etapas de cuidado e erradicação dessa violência.

Necessidade de conscientização

Para prevenir esse tipo de situação, a escola deve exercitar a conscientização do tema. Com dinâmicas e explicações didáticas, os educadores devem se comunicar tanto com os estudantes quanto com suas famílias, para gerar atenção e entendimento sobre o assunto.

Após ressaltar a gravidade da situação, deve-se relembrar, também, os tipos de consequência que o agressor enfrentará, caso a situação seja detectada e se estenda. Também é necessário deixar claro que as vítimas não estão sozinhas, e podem contar com os profissionais e com seus parentes. Há, também, o apoio na legislação brasileira, que criminaliza esse tipo de agressão.

Acompanhamento da situação

Para erradicar o bullying, deve-se trabalhar o desenvolvimento socioemocional dos estudantes, fazendo com que eles saibam dialogar, trabalhar suas diferenças e aceitar uns aos outros. Assim, crianças e jovens crescem sabendo resolver esse tipo de situação e, caso não consigam, busquem ajuda em adultos responsáveis.

Além disso, vale acompanhar de perto as questões de cada estudante. Em outras palavras, um departamento de psicologia na escola, pode fazer com que os estudantes tenha mais liberdade para se abrir.

Formas de intervenção

Em primeiro lugar, toda a equipe da escola deve estar preparada para lidar com situações de bullying. Os professores, principalmente, pois são eles que terão mais contato com os alunos e poderão visualizar de perto as ocorrências.

Assim, é importante se atentar a cada mínimo sinal, sendo uma piada de mau gosto ou uma agressão física. Ao primeiro sinal, é necessário mostrar outras formas de lidar com as pessoas e alertar das consequências de uma atitude como essa.

Depois disso, é preciso ressaltar que os canais de apoio e comunicação são acessíveis no ambiente e que, independente da gravidade, as vítimas terão suporte. E conscientizar as famílias da importância do diálogo e respeito nas relações cotidianas.

Vale, posteriormente, entender os motivos do agressor agir com esse tipo de violência. Afinal, compreende-se que esse tipo de comportamento costuma ter origens mais complexas. Assim, o “valentão” pode, apenas, reproduzir o comportamento que lhe foi ensinado.

Em suma, o bullying afeta quem o pratica, a pessoa que o sofre e as pessoas que estão envolvidas na situação. Assim, devemos agir com observação e cuidado, para aplicar as formas de prevenção e intervenção.

Toda a família deve se atentar aos sinais, sejam eles de silêncio, agressividade ou de mudanças de humor e comportamento. Ao entender a gravidade e as consequências, fica mais fácil tomar atitudes assertivas.

Por fim, é preciso zelar pela integridade das crianças e jovens, pois até mesmo o agressor, nesse caso, pode ser uma vítima em sua própria casa. Sendo assim, explicando padrões de convivência aceitáveis pautados em respeito e em um relacionamento saudável, as condições tendem a melhorar.

E você, conseguiu compreender o que é o bullying e como combatê-lo? Com a nossa explicação ficou mais fácil de entender a gravidade da ocorrência, e de como mediar esse tipo de situação, não é mesmo?

Se interessou pelo tema? Fique por aqui! No Tudo Educação você tem acesso a esse e outros assuntos relacionados.

Fique por dentro

Receba as novidades no seu e-mail.

icone newsletter
banner lateral

Encontre o plano ideal para você.

Veja os planos